“Alugue um amigo local”

“Alugue um amigo local”

A atividade turística vem sofrendo contínuas modificações, inclusive no contexto de suas bases conceituais.  Talvez, a maior mudança seja em função das imposições originadas pelos frequentes embates sociais pós-modernos (ALVES, 1999). Maura Lúcia Santos de Mello (2011, p. 11) corrobora com esta assertiva afirmando que “na pós-modernidade, novas configurações culturais e sociais se apresentam em diferentes circunstâncias, inclusive na forma de se fazer turismo”.

Como consequência das mudanças culturais, sociais e econômicas surgiu, por exemplo, o projeto Rent a Local Friend (Alugue um Amigo Local) que Mello (2011, p. 11) considera: “uma nova modalidade de oferta turística diante de adaptações ao modelo tradicional de turismo da modernidade”.

Este projeto oferece um maior contato com o lugar através de um residente, onde o turista se aproxima de situações socioculturais por meio de roteiros personalizados: um diálogo mais aberto entre o visitante e o visitado.

De acordo com Mello (2011, p. 14): a compreensão das práticas turísticas inseridas nesse processo contemporâneo de mudanças sugerido pela pós-modernidade e sua contribuição para alterar as relações sociais nas práticas turísticas se fazem necessário à medida que se instaurou uma nova perspectiva na organização da sociedade.

É importante ressaltar que “a pós-modernidade representa uma redefinição, um reordenamento e um redimensionamento da sociedade global, a partir principalmente, da última década do século XX.” (VIEIRA; VIEIRA, 2004, p. 77). Onde para muitos o discurso pós-moderno e a sua consagração implicam numa ruptura e afastamento das características da modernidade. (MELLO, 2011, p. 15).

Essas mudanças, sendo algumas radicais, acabam refletindo no consumo. “Dessa forma, a vida pós-moderna pode ser entendida a partir de uma série de incertezas exacerbadas pela influência do consumo, das mídias em altas velocidades e do tempo instantâneo”. (MELLO, 2011, p. 25).

Mello (2011, p. 39) também relaciona essas mudanças ao turismo:

nessa categoria de análise temporal pós-moderna percebe-se, portanto, que a atividade turística se aperfeiçoa revestindo-se de valores que assegurem uma forma de aprendizagem e instrução como condicionantes da viagem. As exigências estendem-se para a qualidade dos serviços e produtos em questão cuja compra é vista como um investimento para a qualidade de vida ao invés de um gasto supérfluo. Com isso, o tempo livre torna-se dia-a-dia mais valorizado e seu usufruto é um momento primordial para a manutenção da vida pós-moderna.

Prestini apud Trigo (2010, p. 36) avalia o slow travel, inspirado no slow food, como o movimento representativo dessa tendência contemporânea, que nada mais é do que a oportunidade de desfrutar, durante a viagem, de atributos locais que passam despercebidos nos grandes fluxos de visitantes.

Estes movimentos se coadunam ao projeto Rent a Local Friend  onde ”o turista se empenha para tentar estabelecer contatos com interferências positivas nas culturas que atuarão, ainda que existam relações diversas de convivência”. (MELLO, 2011, p. 46) O objetivo do Rent a Local Friend, portanto, é deixar a formalidade dos guias de viagens tradicionais. Alugar amigos locais significa aproveitar a cidade como “nativos”.

Mello (2011, p. 100) finaliza considerando que: “o desafio imposto pela pós-modernidade já deixa sua contribuição para o turismo, como também para suas relações sociais”.

Mirana Maria Domingues Troglio

REFERÊNCIAS

ALVES, J. A. Lindgren. A declaração dos direitos humanos na pós-modernidade.  Revista da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo. São Paulo: UFSC, 1999. Disponível em: <http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/25499-25501-1-PB.pdf>. Acesso em: 31 maio 2016.

MELLO, Maura Lúcia Santos de. As relações sociais nas experiências turísticas da pós-modernidade: a iniciativa do rent a local friend. 2011. Niterói: UFF, 2011. Disponível em: <http://www.repositorio.uff.br/jspui/bitstream/1/764/1/156%20-%20Maura%20de%20Mello.pdf>. Acesso em: 27 maio 2016.

TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi. A viagem como experiência significativa. In: GAETA, C. (Org.). Turismo de experiência. São Paulo: SENAC, 2010.

VIEIRA, Eurípedes Falcão; VIERA, Marcelo Milano Falcão. A dialética da pós-modernidade: a sociedade em transformação. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Olá, podemos te ajudar?
Powered by